terça-feira, 24 de junho de 2008

Origem do Povo Cigano

O povo cigano não tem até os dias de hoje uma linguagem escrita, fica quase impossível definir sua verdadeira origem, assim como, fazer um estudo histórico, desde os seus primórdios, com um número suficiente de dados, para garantir a autenticidade. Portanto, tudo que se disser sobre a origem do povo cigano será baseado em conjecturas, similaridades ou suposições.

A hipótese mais aceita é que o povo cigano teve seu berço na civilização da Índia antiga, num tempo que também se supõe como muito antigo talvez dois ou três milênios, antes de Cristo. Os pesquisadores e estudiosos compararam o sânscrito, que era o idioma usado na linguagem escrita e falado na Índia, um dos mais antigos idiomas do mundo, com o idioma falado pelos ciganos e encontraram muitas palavras com o mesmo significado, daí ter sido levado a concluir que o povo cigano se originou da Índia.

Fortalece essa hipótese com a aparência dos ciganos, como tez morena, comum aos hindus e ciganos, gostos por roupas vistosas e coloridas, e princípios religiosos como a crença na reencarnação e na existência de um Deus pai absoluto.

Tanto para o hindu como para o cigano possuem sentimentos muitos fortes sobre a religião, as leis divinas, sua execução, procedimentos, infrações como resultantes conseqüentes.

Outro fato que chama a atenção é a santa por quem nutrem o mais devotado amor e respeito, chamada Santa Sara Kali. Para o Povo hindu, Kali é venerada como uma deusa, que considera Mãe Universal, a Sombra da Morte. As duas têm pele negra. E força destruidora de negatividade e os maléficos que possam atingir seu povo.

O gosto pela dança e a função ritualística da mesa em várias situações, a forma recatada das mulheres não expondo o corpo, são similaridades entre os dois povos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha foto
É uma cigana espanhola, da Andaluzia. Usa roupas coloridas, sem preferência de cor. Não dispensa os colares, os anéis e as pulseiras. Suas argolas são sempre de ouro. Adora tocar castanholas, principalmente quando dança ao redor da fogueira. Ela não dispensa um pandeiro com fitas finas e coloridas. Todas as pessoas que têm esta cigana em sua aura jogam cartas e patacas; têm também um cristal de malaquita, que Carmencita não dispensa para suas magias. Suas oferendas são sempre feitas aos sábados, até as 10 horas da manhã e com o Sol iluminando o planeta Terra. Nunca coloque oferendas para Carmencita em um dia nublado.

Violino Cigano

Violino Cigano

Cigano Vladimir

Era moreno-claro, de olhos e cabelos pretos.

SUAS ROUPAS

Wladimir usava roupas diferentes, conforme a fase da lua.

O detalhe constante nessas roupas é que a calça era sempre da mesma cor do colete de veludo que ele vestia por cima da blusa.

Na Lua cheia ele usava blusão vermelho com colete e calça azul-turquesa; na Lua crescente, blusão branco, colete e calça brancos rebordados com fios de prata;

na Lua nova, blusão azul-turquesa, colete e calça vermelhos rebordados com pedras coloridas; e,

na Lua minguante, blusão branco de mangas compridas, colete e calça marrons e uma faixa branca na cintura.

Em todas as fases da Lua ele usava na cintura uma faixa branca, na qual trazia o seu punhal de prata.

SEUS ADEREÇOS
O lenço que Wladimir usava na cabeça era de cores diferentes, conforme a fase da Lua.
Era azul na Lua cheia, branco no quarto crescente e vermelho na Lua nova.

Na orelha esquerda ele trazia uma argola de ouro e, no pescoço, um cordão de ouro com um medalhão antigo de seu clã.

SUA MAGIA
O Cigano Wladimir aprendeu a tocar violino com seis anos de idade.

Hoje, quando chega à Terra como espírito,pede logo o seu violino e começa a tocar antigas músicas eslavas.

Um detalhe importante: quem tem esse Cigano na aura não precisa saber tocar violino, pois, ao chegar, ele traz a essência da música.

Esse é o mistério de Wladimir.

Retirado do livro “Ciganos do Passado, Espíritos do Presente – Ana da Cigana Natasha- PALLAS EDTORA

Querida Professora de Dança: Samra Sanches

Querida Professora de Dança: Samra Sanches
Loading...